quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Opinião



Em época difícil desde o ano passado (2012), o clima não ajudou a manter a tradição do carnaval mais comentado de toda região tirando Macau, então em razão do clima difícil foi decidido em algumas cidades a não realização de eventos festivos e outros que tinham o apoio da Prefeitura, agora realizar um evento parecido onde tudo será pago não tem as mínimas condições.
1º pelo valor estipulado de 60,00 reais por pessoa os 4 dias e 30 reais por noite.
2º o espaço que se realizará não tem a abrangência e segurança necessária, porque lá dentro terá muita gente, bem é o que se imagina! Pessoas em diferentes sentidos, desde vendedores de cerveja, cachorro quente até mesmo os foliões, será muito arriscado, uma festa praticamente particular, porque não é tradição você pagar uma festa considerada o "carnaval de Lajes", nem vem que não tem, o que se realizará é um CarnaLajes 2013.
3º as pessoas com situação financeira pouca, que apenas tem um dinheirinho para tomar umas latinhas... Eles terão que escolher? Se entrar não come, e nem bebe, só vai olhar as bandas.
4º Segurança para este evento, porque tenho quase certeza que festa particular precisa e muito de pessoas qualificadas como segurança de eventos, não basta 2 ou 4 seguranças... Tem que ser reforçada, estou dando um toque para quem for realizar este evento.
5º será que o valor total das bandas será alcançado? Porque sei não, tem muita gente com paredão que vão vir dai fica em bares ou sai andando no meio da rua, ou pode até ser que uma varinha mágica de condão chegue junto com alguns apoios, sei lá... porque envolve valores altos eventos grandes...
6º A limpeza do ambiente, tem que ter pessoas para limpar o espaço para o outro dia e tal, e tal... e assim os 4 e 5 dias de  eventos, é muito gasto... Se a Prefeitura não pode arcar com essas despesas.
7º Espaço e seguranças para o provável Estacionamento.
Olha vou parar por aqui porque se for continuar nessa questão, vou longe..........................................
Por Brother Washington (Blogueiro)

domingo, 20 de janeiro de 2013

Música


KID ABELHA – 30 ANOS
Essa banda foi marcante em minha e em várias outras vidas, na década de 80, várias bandas de Rock explodiram no Brasil e o Kid Abelha foi uma delas, com o seu ritmo marcante, Romântico e sensual, Paula Toller encantou e apaixonou a juventude daquela época e até hoje apaixona a quem a ouvir cantar.
O texto da jornalista Mônica Waldvogel faz parte da abertura do show Kid Abelha 30 Anos e, também faz parte do conteúdo do DVD e do Blu-Ray.
"Trinta anos não acontecem assim, da noite para o dia. Mas acontecem, sim. Conte onze mil dias e multiplique por vinte e quatro horas vezes sessenta minutos e é uma vida inteira, um bom pedaço dela, o melhor de todos. Faça um marco e comece as contas. Escolha um ponto. Esse aí, quando a música do rádio pegou a gente distraída e uma voz, uma batida, um refrão entrou na vida da gente para sempre. Faça outro marco no dia em que viu a dona da voz. Aquele louro, aquele rosto, aquele azul - e faz de conta que a vida então começou.
Quantos contos de mil e uma noites embalaram você no suspense do seu quarto? Pois é, trinta anos depois amores se foram, vieram outros. E também grandes batalhas, espaços abertos, bandeiras fincadas, terreno perdido, território conquistado. Tanta gente vindo junto com suas lutas de cada dia, uma geração, os filhos dela. A mesma língua, a mesma escala, as mesmas notas que cantamos enquanto espelhos mostram o mesmo branco, o mesmo cinza, os mesmos anos.
Trinta, ao todo, foram passando. E ela lá, aquele louro, aquele azul, aquele tom. Nunca nada muda - para nosso conforto e para nossa delícia, para o futuro das nossas velhas fantasias. Abelha entre kids, abóboras para nós, selvagens devoradores de mitos. Esses que salvam nosso mundo particular com as tramas do sucesso em que nos enredamos, conquistados, durante trinta anos. Nesse canto, nesse tema, nesse louro.
Mas...deixe as contas que no fim das contas, é ver se entende a minha pressa. Minha distração. Minha fixação. A hora é essa. A cada madrugada, a virada que aprendemos a fazer porque nos foi dado viver ao mesmo tempo, nesse tempo, nessa era.
Trinta anos."
Formação
·         Paula Toller: Voz
·         George Israel: Saxofone, Violão, Bandolim , voz e vocal
·         Bruno Fortunato: Guitarras

Banda
·         Adal Fonseca – Bateria
·         Fernando Aranha – Guitarras, violão, violão de 12 e vocal
·         Gê Fonseca – Teclados e vocal
·         Jeferson Victor – Trompete
·         Marlon Sette - Trombone
·         Marcelo Granja – Baixo

Participações especiais
·         Marcelinho da Lua: Fixação e Te Amo pra Sempre
·         Ivo Meirelles e Grupo Surdo Um (Bateria da Mangueira): Pintura Íntima

Curiosidade



História da Cerveja

Em dias de hoje onde o calor é infernal, nada como se refrescar tomando uma deliciosa cerveja bem geladinha, mas afinal de contas, como surgiu a cerveja?
Há cerca de 10 mil anos, o homem antigo descobriu, por acaso, o processo de fermentação, no que surgiram, em pequena escala, as primeiras bebidas alcoólicas. Mais tarde, a cerveja era produzida inicialmente pelos padeiros, devido a natureza dos ingredientes que utilizavam: leveduras e grãos de cereais. A cevada era deixada de molho até germinar e, então, moída grosseiramente, moldada em bolos aos quais se adicionava a levedura. Os bolos, após parcialmente assados e desfeitos, eram colocados em jarras com água e deixados fermentar.
Há evidências de que a prática da cervejaria originou-se na região da Mesopotâmia onde a cevada cresce em estado selvagem. Os primeiros registros de fabricação de cerveja têm aproximadamente 6 mil anos e remetem aos Sumérios, povo mesopotâmico. A primeira cerveja produzida foi, provavelmente, um acidente. Documentos históricos mostram que em 2100 a.C. os sumérios alegravam-se com uma bebida fermentada, obtida de cereais. Na Suméria, cerca de 40% da produção dos cereais destinavam-se às cervejarias chamadas "casas de cerveja", mantida por mulheres. Os egípcios logo aprenderam a arte de fabricar cerveja e carregaram a tradição no milênio seguinte, agregando o líquido à sua dieta diária.
A cerveja produzida naquela época era bem diferente da de hoje em dia. Era escura, forte e muitas vezes substituía a água, sujeita a todos os tipos de contaminação, causando diversas doenças à população. Mas a base do produto, a cevada fermentada, era a mesma.
A expansão definitiva da cerveja se deu com o Império Romano, que se encarregou de levá-la para todos os cantos onde ainda não era conhecida. Júlio César era um grande admirador da cerveja e, em 49 a.C., depois de cruzar o Rubicão, ele deu uma grande festa a seus comandantes, na qual a principal bebida era a cerveja. A César também é atribuída a introdução de cerveja entre os britânicos, pois quando ele chegou à Britânia, esse povo apenas bebia leite e licor de mel. Através dos romanos a cerveja também chegou à Gália, hoje a França.
E foi aí que a bebida definitivamente ganhou seu nome latino pelo qual conhecemos hoje. Os gauleses denominavam essa bebida de cevada fermentada de “cerevisia” ou “cervisia” em homenagem a Ceres, deusa da agricultura e da fertilidade.
Na Idade Média, os conventos assumiram a fabricação da cerveja que, até então, era uma atividade familiar, como cozer o pão ou fiar o linho. Pouco a pouco, à medida que cresciam os aglomerados populacionais e que se libertavam os servos, entre os séculos VII e IX, começaram a surgir artesãos cervejeiros, trabalhando principalmente para grandes senhores e para abadias e mosteiros. O monopólio da fabricação da cerveja até por volta do século XI continuou com os conventos que desempenhavam relevante papel social e cultural, acolhendo os peregrinos de outras regiões. Por isso, todo monastério dispunha de um albergue e de uma cervejaria. Os monges por serem os únicos que reproduziam os manuscritos da época, puderam conservar e aperfeiçoar a técnica de fabricação da cerveja.
Com o aumento do consumo da bebida, os artesãos das cidades começaram também a produzir cerveja, o que levou os poderes de públicos a se preocupar com o hábito de se beber cerveja. As tabernas ou cervejarias eram locais onde se discutiam assuntos importantes e muitos negócios concluíam-se entre um gole e outro de cerveja. A partir do séc. XII pequenas fábricas foram surgindo nas cidades européias e com uma técnica mais aperfeiçoada, os cervejeiros já sabiam que a água tinha um papel determinante na qualidade da cerveja. Assim a escolha da localização da fábrica era feita em função da proximidade de fontes de água muito boa.
Com a posterior invenção de instrumentos científicos (termômetros e outros), bem como o aperfeiçoamento de novas técnicas de produção, o que bebemos hoje é uma agregação de todas as descobertas que possibilitaram o aprimoramento deste nobre líquido.


Sociedade brasileira é 'racista', afirma futuro presidente negro do TST



Primeiro negro eleito para presidir o Tribunal Superior do Trabalho (TST), o ministro Carlos Alberto Reis de Paula qualifica a sociedade brasileira como "racista e discriminatória".
"É racista, discriminatória e usa de discriminação por um motivo muito simples: uma questão cultural", disse em entrevista ao G1.
Reis de Paula assumirá o comando da Justiça trabalhista no próximo dia 5 de março, em um momento em que, também pela primeira vez, outro negro, Joaquim Barbosa, chefia a mais alta corte do país, o Supremo Tribunal Federal (STF).
Aos 68 anos – ele completa 69 anos em 26 de fevereiro –, o magistrado eleito por unanimidade para a presidência do TST revela que já foi alvo de racismo ao longo da vida, mas nunca foi discriminado no Judiciário. "Isso acontece, isso é o Brasil", disse.
O ministro se diz um defensor das políticas de cotas para o ingresso de negros nas universidades federais. Ele, no entanto, ressalta que é contra a implantação do sistema para o acesso ao serviço público. "O problema de cota não pode ser uma esmola. Cota é uma questão de justiça social", avalia.
Natural de Pedro Leopoldo (MG), município da regi ão metropolitana de Belo Horizonte, Reis de Paula foi o primeiro negro a ser indicado para um tribunal superior do país (o TST), em 1998. Mestre e doutor em direito constitucional pela Universidade Federal deMinas Gerais (UFMG), ele ingressou na magistratura, em 1979, como juiz do trabalho da 3ª Região (MG).

Casado pela segunda vez, Reis de Paula tem três filhas e cinco netos e é torcedor fanático do América mineiro. Atualmente, concilia as atribuições no tribunal trabalhista com o mandato de conselheiro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O ministro, porém, diz que deixará a vaga no CNJ assim que assumir a presidência do TST.
Leia abaixo os principais trechos da entrevista.

sábado, 19 de janeiro de 2013

Comentando



Carnaval de Lajes 2013

Não se fala em outra coisa na cidade, o tão tradicional carnaval de Lajes poderá não ser realizado este ano, isso porque a Prefeitura de Lajes, juntamente com várias outras do nosso estado decretou estado de emergência devido a seca que assola nosso estado.
Por esse motivo a Promotoria Pública está proibindo todo e qualquer evento público que possa gerar despesas extras para o nosso município, visto que um evento carnavalesco custará aos cofres públicos centenas de reais, e isso não condiz com a realidade apresentada pelo nosso gestor ao Governo Federal.
Diante destes fatos ponho-me a questionar! Quando foi que Lajes teve dinheiro de sobra para realizar carnavais?
Essa não é a primeira vez que ouvimos falar que o nosso carnaval não será realizado!
Será que não teremos uma bela surpresa? Afinal de contas nosso Prefeito Benes adora fazer choradeira e logo depois obra verdadeiros milagres!
Quem não se lembra do ano que ele disse que não iria ter dinheiro para pagar o salário do mês de dezembro dos funcionários públicos e que misteriosamente no dia 20 de dezembro, além do pagamento do 13º salário, ainda pagou o mês de dezembro junto.
Vixe Maria! O homem foi endeusado por todos.
Então! Diante de tudo isso, eu particularmente não acredito que o nosso carnaval passará em branco, estou torcendo para que aconteça outro milagre desses e que nossa população possa desfrutar deste evento que é considerado o melhor da região central.
Contamos com você Galeguinho!!!!!!

450 voluntários atuam na ação Praia Segura aos sábados no litoral potiguar



 Turistas e banhistas das praias do litoral Leste do Rio Grande do Norte têm recebido aos sábados deste mês de janeiro a visita de voluntários da operação Praia Segura, que apresentam dicas de segurança e saúde para o divertimento nas praias.
 São mais de 450 voluntários da Cruz Vermelha, da Igreja Evangélica Assembleia de Deus, Bombeiros Mirins, Escoteiros e cidadãos que atuam como reforço do efetivo da Operação Verão 2013, que ocorre até o dia 13 de fevereiro.
Neste sábado (19), a governadora Rosalba Ciarlini esteve em um destes pontos de blitz, na via Costeira, em Natal, para prestigiar o trabalho dos voluntários. “São pessoas que deixam seus afazeres em casa ou seus momentos de laser com suas famílias para dar um pouco do seu dia na orientação dos banhistas que frequentam nossas praias, e esse trabalho precisa ser valorizado”, disse a governadora.
 Nos dois primeiros sábados de atividade, a operação Praia Segura realizou mais de 21 mil abordagens aos banhistas nas praias que se estendem de Barreta a Muriú, passando por Pirangi, Ponta Negra, Praia do Meio, Redinha e Jenipabu. “Também foram abordados em blitzes educativas mais de 3 mil veículos”, complementou o tenente Couceiro, do Corpo de Bombeiros.
 Segundo o tenente, seis equipes de voluntários acompanhados com homens do Corpo de Bombeiros realizam este trabalho a cada sábado com a distribuição de folhetos informativos e de pulseiras para a identificação de crianças. “São pulseiras resistentes, inclusive à água do mar, a qual permite a anotação de telefones de contato dos responsáveis pela criança que ajudam na identificação em caso dessa criança ser encontrada por outra pessoa”, explicou.
 Couceiro diz ainda que os voluntários que participam da Praia Segura serão diplomados ao final da Operação Verão e poderão participar de cursos promovidos pelo Corpo de Bombeiros de forma gratuita até o fim deste ano.
 As blitz acontecem em três pontos diferentes a cada sábado. No período da manhã elas são de orientação aos motoristas, principalmente quanto ao consumo de bebidas alcoólicas. À tarde e à noite as barreiras tem caráter punitivo.
Cleber Femina / Da Redação Natal / Defato.com

Bandidos explodem agência do BB em São Paulo do Potengi




Bandidos armados explodiram uma agência do Banco do Brasil, na madrugada deste sábado (19), por volta das 3h30, no município de São Paulo do Potengi.
De acordo com os policiais militares, os assaltantes chegaram à agência, renderam alguns jovens que estavam em frente ao banco, entraram e explodiram os caixas eletrônicos.
Um dos jovens foi feito refém e obrigado a quebrar a porta do banco com uma alavanca. Não se sabe ainda quanto foi levado em dinheiro pelos bandidos.
A quadrilha usou dinamites para explodir o prédio o que fez o teto cair e quase destruir totalmente a agência. Após a explosão os bandidos fugiram levando todo o dinheiro. A polícia ainda não tem pistas dos assaltantes.
Fonte: De Fato.com