sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Serviços Proteste


Celular com problema: o que fazer?

Não aceite que as operadoras de telefonia móvel lhe causem transtornos. Conheça seus direitos.
O crescimento do número de celulares no Brasil é acompanhado de insatisfação. Infelizmente, o consumidor ainda encontra muitos problemas com as operadoras e, na maioria das vezes, não está ciente dos seus direitos. Conheça as regras determinadas pela Anatel para a telefonia celular e evite abusos:
· A operadora pode lhe impedir de fazer chamadas após 15 dias do vencimento da conta. Depois de 45 dias, você deixa de receber chamadas e, após 90 dias, o contrato pode ser rescindido. Seu nome só será enviado para o SPC ou Serasa mediante notificação com 15 dias de antecedência;
· Se você adquiriu um aparelho sem desconto, ele deve ser desbloqueado imediatamente. Para aparelhos com desconto, o desbloqueio só é válido após o fim do período de fidelização (que deve ser de no máximo um ano);
· A validade dos créditos para celulares pré-pagos é de 180 dias, que deverão continuar valendo mesmo após nova recarga. Se você não tiver créditos, poderá receber ligações e fazer chamadas a cobrar por 30 dias;
· Se você mudar de operadora, poderá continuar com o mesmo número. Basta pedir a portabilidade na operadora para a qual pretende migrar;
· O prazo máximo de fidelização, para adquirir um aparelho com desconto, é de 12 meses;
Se você verificar alguma irregularidade nos serviços prestados a você pela sua operadora, entre em contato com uma central de atendimento e tente resolver o problema. A empresa tem a obrigação de lhe dar uma resposta em até 24h. Se o problema não for resolvido, ligue para Anatel (133) ou reclame pelo site (www.anatel.gov.br), contando sua história e informando o número do seu atendimento, a data de solicitação e a informação recebida. Se nada disso resolver, procure a PROTESTE, que pode orientá-lo ou intermediar o seu caso.
Se você ainda tiver dúvidas sobre as regras da Anatel para a telefonia móvel, entre em contato com a PROTESTE pelo telefone (21) 3906-3900, e veja como podemos ajudar.